NATUREZA
22/02/2019 08:32 em Brasil

Por Elida Oliveira, G1

 


 
Viveiro foi construído no Boqueirão da Onça para ambientar araras-de-lear criadas em cativeiro antes de serem soltas na natureza.  — Foto: Marcelo Brandt/G1Viveiro foi construído no Boqueirão da Onça para ambientar araras-de-lear criadas em cativeiro antes de serem soltas na natureza.  — Foto: Marcelo Brandt/G1

Viveiro foi construído no Boqueirão da Onça para ambientar araras-de-lear criadas em cativeiro antes de serem soltas na natureza. — Foto: Marcelo Brandt/G1

 

Em meio à área mais preservada da caatinga, no sertão da Bahia, há um viveiro de 20 metros de extensão por 6 metros de altura. A estrutura metálica contrasta com os morros verdes do Boqueirão da Onça, uma área de preservação recentemente delimitada como parque nacional e área de proteção ambiental.

O contraste é por uma boa causa: o viveiro foi construído por um projeto inovador de preservação da arara-azul-de-lear, que está em risco de extinção. Redescoberta há 40 anos, a ave é um dos 182 animais da caatinga que estão sob ameaça. Ali, no viveiro, foram colocados seis indivíduos desta espécie (três fêmeas e três machos). Elas nasceram em cativeiro, na Loro Parque Fundación, da Espanha. Chegaram ao Brasil em agosto do ano passado e foram libertadas em janeiro deste ano.

G1 esteve no Boqueirão da Onça para conhecer o projeto de soltura destas aves. As ameaças à conservação das espécies e o desafio de preservá-las são foco do especial "Desafio Natureza", que já abordou a ‘redescoberta’ da arara-de-lear na região e as ações de preservação da onça-pintada e parda na caatinga.

Ao todo, existem atualmente 1.700 araras-azuis-de-lear, a maior parte na região do Raso da Catarina (veja abaixo o mapa). O Boqueirão da Onça já chegou a ter cerca de 30 destas aves, mas quase todas sumiram na década de 1990. Restaram apenas duas. O desaparecimento repentino é atribuído à ação de traficantes de animais. Como as duas que ficaram não se reproduziam, a solução foi trazer mais.

 
 
 
 
 
 
 
--:--/--:--
 
 
 
 

Retorno de arara quase extinta na caatinga mostra os desafios da conservação de espécies

 
Locais de ocorrência da arara-de-lear na caatinga — Foto: Igor Estrella/G1Locais de ocorrência da arara-de-lear na caatinga — Foto: Igor Estrella/G1

Locais de ocorrência da arara-de-lear na caatinga — Foto: Igor Estrella/G1

 

Do viveiro para a vida livre

 

Para chegar ao Boqueirão da Onça, a equipe de reportagem andou por rodovias e estradas de terra. O local, de difícil acesso, ainda não está aberto para visitação de turistas.

O viveiro está construído em uma área conhecida como Cercadinho, porque é cercado pelas montanhas da região. A dois quilômetros dali fica a casa dos pesquisadores, onde os biólogos que trabalham no projeto se hospedam durante suas estadias, com revezamento a cada 15 dias. Durante o período, eles se tornam os "treinadores de vida livre" para as aves.

G1 acompanhou uma dessas solturas.

A cena de uma caixa se abrindo com aves voando livremente está longe de ser realidade para a soltura dessas araras. A técnica empregada foi a de "soft release": após treinamento, uma janela do viveiro fica aberta, para que a ave voe quando se sentir mais à vontade, e retorne se achar necessário.

 
Uma arara-azul-de-lear é vista em local onde recebe tratamento e é treinada para ser reintroduzida com segurança à natureza — Foto: Marcelo Brandt/G1Uma arara-azul-de-lear é vista em local onde recebe tratamento e é treinada para ser reintroduzida com segurança à natureza — Foto: Marcelo Brandt/G1

Uma arara-azul-de-lear é vista em local onde recebe tratamento e é treinada para ser reintroduzida com segurança à natureza — Foto: Marcelo Brandt/G1

Por isso, antes de soltá-las, era preciso prepará-las. O desafio da preservação da espécie envolve diversos testes, como:

 

  • Exames de sangue para saber se as aves de cativeiro não possuem doenças que possam contaminar a população livre
  • Treinamento contra predadores
  • Exercícios para fortalecer a musculatura para voos longos
  • Mudança de cardápio, da ração para o alimento da caatinga
  • Treinos para localizar as palmeiras de licuri, principal alimento destas aves
  • Colocação de anilhas (pulseiras) numeradas e GPS para monitoramento

 

“Temos pouquíssimos exemplos de programas de soltura no Brasil para seguir. Para construir o projeto de soltura das araras no Boqueirão, fizemos um levantamento de todas as iniciativas que soltaram psitacídeos ao redor do mundo inteiro. Nos baseamos em vários e escolhemos as estratégias que nos pareceram mais certeiras para seguir”, explica Thiago Filadelfo, biólogo, coordenador de campo do Projeto de Soltura Experimental da Arara-Azul-de-Lear no Boqueirão da Onça.

 
Pesquisadores do ICMBio fazem o manejo em uma arara-azul-de-lear para colocação de placa com identificação e GPS. Os animais recebem tratamento e são treinados no local para serem reintroduzidos à natureza — Foto: Marcelo Brandt/G1Pesquisadores do ICMBio fazem o manejo em uma arara-azul-de-lear para colocação de placa com identificação e GPS. Os animais recebem tratamento e são treinados no local para serem reintroduzidos à natureza — Foto: Marcelo Brandt/G1

Pesquisadores do ICMBio fazem o manejo em uma arara-azul-de-lear para colocação de placa com identificação e GPS. Os animais recebem tratamento e são treinados no local para serem reintroduzidos à natureza — Foto: Marcelo Brandt/G1

 

Aversão a humanos e predadores

 

No mix de técnicas, uma delas chamou a atenção: os pesquisadores evitam que as araras-de-lear desenvolvam algum tipo de tolerância aos humanos. Assim, sempre que se aproximam do viveiro, chegam em silêncio e evitam falar com as araras. Se precisam entrar, fazem barulho e entram “descaracterizados da forma humana”, como diz Filadelfo.

“Nos exercícios de aversão humana, tínhamos que fazer o treino com um estímulo negativo em que um de nós se vestia com uma manta preta que cobria o corpo inteiro, incluindo os pés, e não deixava transparecer uma forma com braços e pernas. A pessoa ainda usava um capuz para cobrir a cabeça”, conta. Isso porque as aves psitacídeas, como os papagaios e periquitos, são muito inteligentes e, se associarem que o humano não é perigoso, se tornam presa fácil para o tráfico de aves.

Outro treino foi para terem aversão de predadores, em especial contra a águia. No entanto, como a área de proteção tem também comunidades tradicionais, os biólogos incluíram o exercício de aversão ao cachorro: construíram uma plataforma do lado de fora do viveiro e ficavam ‘passeando’ com o cão por ali, incitando-o a latir e fazer barulho para assustar as araras. Estressante? Sim, mas necessário.

 

Não dê licuri, ensine a buscar

 

 
Licuri, coco que cresce aos cachos em palmeiras do sertão da Bahia, o alimento preferido da arara-de-lear. — Foto: Marcelo Brandt/G1Licuri, coco que cresce aos cachos em palmeiras do sertão da Bahia, o alimento preferido da arara-de-lear. — Foto: Marcelo Brandt/G1

Licuri, coco que cresce aos cachos em palmeiras do sertão da Bahia, o alimento preferido da arara-de-lear. — Foto: Marcelo Brandt/G1

Quando estavam em cativeiro, as seis araras-de-lear comiam frutas e ração apropriada para a espécie. Na caatinga, vão se alimentar de licuri, um coquinho que cresce aos cachos em palmeiras da região e é rico em água, gordura e nutrientes.

Algumas dessas palmeiras foram plantadas dentro do viveiro para que as aves se familiarizassem com as plantas. Paralelamente, os biólogos passaram a colocar o licuri em meio à ração, aumentando a proporção aos poucos, até que elas aprendessem também a abrir o coquinho com o bico.

“Em especial, no treinamento alimentar, nós fomos oferecendo apenas a ração industrializada por 10 dias, depois misturamos no pote a ração com alimentos nativos da caatinga em uma proporção 50% e 50% por 10 dias, depois apenas os alimentos nativos no pote por 10 dias, e por fim apenas os alimentos nativos nos pés de licurizeiros e árvores do recinto dai em diante”, explica Filadelfo. Pensa que ser livre é fácil?

 

O voo da liberdade

 

 
Pesquisadores colocam GPS em uma arara-de-lear. Equipamento fica posicionado nas costas da ave, e possui placa solar para a bateria. Projeto quer soltar aves de cativeiro na natureza. — Foto: Marcelo Brandt/G1Pesquisadores colocam GPS em uma arara-de-lear. Equipamento fica posicionado nas costas da ave, e possui placa solar para a bateria. Projeto quer soltar aves de cativeiro na natureza. — Foto: Marcelo Brandt/G1

Pesquisadores colocam GPS em uma arara-de-lear. Equipamento fica posicionado nas costas da ave, e possui placa solar para a bateria. Projeto quer soltar aves de cativeiro na natureza. — Foto: Marcelo Brandt/G1

Antes de ser solta na natureza, cada uma destas aves passou pela colocação de anilhas, uma espécie de pulseira amarela com número de identificação, e de um aparelho de geolocalização, o GPS. Os equipamentos são importantes para que os biólogos monitorem por onde as araras voaram e quais distâncias percorreram.

De acordo com Filadelfo, todas já deixaram o recinto e voaram pelo entorno explorando a caatinga. As araras-de-lear selvagens podem percorrer até 60 km em busca de alimento mas, por enquanto, estas cativeiro se distanciaram a um raio de 1 a 2 km – ainda estão cautelosas com o ambiente.

Mas, a cada batida de asas, os biólogos veem uma conquista. “Desde semana passada já temos dois indivíduos explorando mais longe, indo até 7 a 8 km”, diz Filadelfo.

Parte das araras ainda está voltando para dormir no recinto, que permanece aberto e com alimento, e parte está dormindo na caatinga.

A elaboração e execução do projeto tiveram apoio da Enel Green Power Brasil; Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (Cemave), do ICMBio; Instituto Arara Azul; Instituto Espaço Silvestre; Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (Inema) e do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo.

 
Pesquisadores do ICMBio fazem o manejo em uma arara-azul-de-lear para colocação de placa com identificação e GPS. Os animais recebem tratamento e são treinados no local para serem reintroduzidos à natureza — Foto: Marcelo Brandt/G1Pesquisadores do ICMBio fazem o manejo em uma arara-azul-de-lear para colocação de placa com identificação e GPS. Os animais recebem tratamento e são treinados no local para serem reintroduzidos à natureza — Foto: Marcelo Brandt/G1

Pesquisadores do ICMBio fazem o manejo em uma arara-azul-de-lear para colocação de placa com identificação e GPS. Os animais recebem tratamento e são treinados no local para serem reintroduzidos à natureza — Foto: Marcelo Brandt/G1

 

Ararinha-azul

 

Um outro projeto semelhante começa a ser desenvolvido em Curaçá, também na Bahia.

O esforço é para soltar espécimes da ararinha-azul (Cyanopsitta spixii), criticamente ameaçada e já extinta na natureza. Foi esta espécie que inspirou o personagem Blu do filme Rio, lançado em 2011 com direção do brasileiro Carlos Saldanha. Em todo o mundo, estima-se que existam apenas 160 destas aves, todas em cativeiro (confira as diferenças e semelhanças entre as espécies no quadro ao fim da matéria).

De acordo com Camile Lugarini, chefe do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), de Juazeiro, o projeto está em fase de construção do viveiro, que será erguido no mesmo local onde, em 2000, desapareceu o último exemplar livre da espécie.

 
Ararinha-azul não é vista em liberdade desde 2000. Um projeto pretende fazer o mesmo que está ocorrendo com a arara-de-lear e prepará-las para soltar na natureza. — Foto: AFPArarinha-azul não é vista em liberdade desde 2000. Um projeto pretende fazer o mesmo que está ocorrendo com a arara-de-lear e prepará-las para soltar na natureza. — Foto: AFP

Ararinha-azul não é vista em liberdade desde 2000. Um projeto pretende fazer o mesmo que está ocorrendo com a arara-de-lear e prepará-las para soltar na natureza. — Foto: AFP

A expectativa é que 50 ararinhas-azuis sejam repatriadas, ou seja, trazidas de cativeiros no exterior. Parte delas serão reintroduzidas na fauna brasileira.

O centro deverá custar US$ 1,5 milhão e será construído com apoio de instituições parceiras como a Al Wabra Wildlife Preservation (AWWP), do Catar; a Association for the Conservation of Threatened Parrots (ACTP), da Alemanha; a Parrots International, dos EUA; o Jurong Bird Park, de Singapura; a Fazenda Cachoeira e o ICMBio.

 
Espécies de arara-azul — Foto: Roberta Jaworski / G1Espécies de arara-azul — Foto: Roberta Jaworski / G1

Espécies de arara-azul — Foto: Roberta Jaworski / G1

 

FONTE G1

 

 
COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
TOMATE
OVOS
REPOLHO
MELANCIA
MARACUJA
MILHO
BATATA
MANDIOCA
MANDIOCA AO PRODUTOR
MANDIOCA FECUA
ARROZ 1
ARROZ ATACADO
ARROZ LONGO FINO
BOI A VISTA
BOI GORDO
SEBO